Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

riscos_e_rabiscos

.

.

* Mas que é isto?! *

Estava eu farta de apregoar aos sete ventos "Ah eu este ano ainda não senti frio..!". E era verdade. Até hoje. Ora assim em jeito de vingança, o frio veio em força acompanhado do seu compincha vento para me tratarem da saúde!

 

O que vale é que eu já previa este cenário e levei o meu super escudo impenetrável contra o frio, entenda-se kispo, e não fui atingida. Ou não fui atingida quase nada... Se eu não tivesse uma cabeça de alho chocho, tinha-me lembrado de levar um capacete de mota para não me congelarem os neurórios, para impedir o vento de me querer arrancar os meus três cabelos do alto da pinha e evitar que o meu nariz criasse as estalactites que trouxe para casa!

 

Amanhã se o tempo se fizer sentir com igual frieza, é assim que vou sair de casa!

esquenta_nariz_3.jpg

 

 

Da próxima vez, avisem-me!

Saí de casa com um sol lindo e uma temperatura amena. Apanhei o autocarro, dei a volta à minha cidade, dei aulas e, chegado o fim do horário, saí da sala para me vir embora.

 

Levei com uma "chapada gelada" na cara que até vi flocos de neve e senti um ventinho tão cortante que me senti uma fatia de fiambre daquelas finíssimas como anuncia na publicidade.

 

Saí da escola e fui para a paragem. Congelei 20 minutos à espera do autocarro. Infelizmente ali não há muitos que me possam trazer para casa e que o passe dê. Tinha um cachecol dentro da mala e atei-o ao pescoço. E o friozinho nas mãos e pulsos? Lá puxei a camisola para me servir de luvas e escondi-as atrás da mala.

 

Quando o autocarro chegou, eu estava assim:

 

Um senhor que estava na paragem, deu-me uma abanadela e disse-me "vem lá o seu autocarro" ao que eu respondi "se não se importa faça sinal pois eu não me consigo mexer, estou congelada".
p
Mas quem é que diz que eu era capaz de me levantar do banco da paragem? Como o senhor da paragem não conseguiadescolar-me do banco, o motorista do autocarro veio ajudá-lo. Com um isqueiro, passaram debaixo do banco para aquecer a placa metálica e me conseguirem tirar dali. 
p
É claro que esta última parte é produto da minha imaginação. Mas que congelei na paragem, é verdade. Quando entrei no autocarro, levo com um  vento frio e cortante, vindo de duas janelas abertas que me fez enregelar ainda mais. 
p
Mas pior, pior era se tivesse levado com um balão de água... é que lá na escola, hoje, choviam quem nem meteoritos! :(

Quem foi o safardana...

que deixou a porta do frigorífico aberta hoje? É que está um gelo que nem se aguenta!!! Ah e já agora, dispensava a chuvinha. É que só uma espécie de mau tempo chega, não é? Podiam ter dito que o tempo ia passar de 8 para 80, não é? 

 

De manhã quando abri a janela, ia ficando gelificada! Ainda se conseguiram formar umas estalactites na ponta do meu nariz naqueles breves segundos, que depois espantei com uma sacudidela de cabeça.

 

Já sabem que se não disser nada entre hoje e amanhã é porque congelei quando fui trabalhar e devo estar no forno a voltar ao normal . :PPPP

Um Friozinho...

 

Sou uma pessoa que detesta vestir quilos de roupa. Não sou muito friorenta, acho que é uma questão de genes pois a minha mãe é como eu. E não me venham cá com as teorias das camadas adiposas e blá, blá, blá, porque quando eu era “magra” também não era friorenta.

 

Até vos digo mais – e agora arrepiem-se -, nos Invernos menos frios costumo apenas vestir uma camisola e um casaco. E não, não uso casacos felpudos nem camisolas com 10 centímetros de grossura.

 

Ainda não tinha sentido frio na rua até ontem. Tenho a leve sensação que só desde ontem é que o Inverno invadiu o meu “microcosmos”. De manhã e de tarde até que a coisa foi. Uns cafezinhos para aquecer o corpo e a alma, uns gritinhos intimidatórios aos putos serviram para manter uma temperatura corporal agradável.

 

O pior foi mesmo quando sai do colégio. Após uma dúzia de passos, comecei a debater-me contra o frio. Chego à paragem do bus – sim, sou gaja utilizadora de transportes públicos – e sento-me para ver se me consigo esconder do friozinho. Nada feito! O gajo apoderou-se de mim de tal maneira, que me enregelou os ossos, a musculatura e as camadas adiposas até não me poder mover.

Quando o meu bus chegou, já eu tinha criado estalactites e estalagmites no nariz e pestanas e tinha as sobrancelhas cheias de flocos de neve.

 

Frio sim mas tanto também não. E gelo? Só em forma de neve… mas fixe, fixe era no Natal, não?